Governo federal é responsável por atraso no Rodoanel, diz Alckmin

O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) creditou ao governo federal - que não depositou a verba - a responsabilidade pelo provável atraso no cronograma de entrega do trecho oeste do Rodoanel. Há cerca de um mês, em cerimônia com a participação do ministro dos Transportes, Eliseu Padilha, Alckmin anunciou que essa primeira etapa do Rodoanel seria entregue em dezembro de 2001. Agora, a data oficial de conclusão do trecho oeste é primeiro trimestre de 2002."O governo federal tem previsto no orçamento deste ano, para o Rodoanel, R$ 100 milhões, o que é insuficiente. Mas, pior do que isso, é que estamos no meio de maio e até agora não entrou um centavo", disse Alckmin. Segundo ele, o governo federal prometeu liberar R$ 40 milhões ainda nesta semana; R$ 30 milhões em junho e R$ 20 milhões em julho. Do total de R$ 100 milhões previsto para 2001, R$ 10 milhões estão contingenciados (com gasto bloqueado).Alckmin ressaltou que o governo paulista tem liberado recursos para o Rodoanel mensalmente. A obra deveria ser executada em parceria com os governos municipal e federal, cada um deles responsável por 25% dos investimentos e o Estado por 50%. "A prefeitura, desde o início, nunca colocou um centavo e o governo federal, apesar de ter previsto no orçamento, não deposita sua parte. Este ano, até agora, o governo paulista vem tocando a obra sozinho", disse Alckmin.Apesar da falta de recursos, Alckmin disse que as obras não estão paradas, mas admite que houve uma diminuição no ritmo de alguns trechos que estavam adiantados e nos que não eram prioridade. "Os lotes que não eram de conclusão tão urgente tiveram uma reduzida, até que chegue o dinheiro", afirmou. Cada etapa concluída será entregue para uso imediato. Em cerca de 60 dias, garantiu Alckmin, será entregue o trecho entre as rodovias Regis Bittencourt e a Raposo Tavares."O ideal seria entregar a obra toda (trecho oeste) até dezembro. Para isso o governo federal deveria fazer um aporte de mais R$ 137 milhões ainda este ano, fora os R$ 100 milhões. Como não está previsto no orçamento federal, é difícil acreditar que haja uma suplementação, certamente nós vamos para o primeiro trimestre de 2002", previu Alckmin sobre o prazo de conclusão do trecho oeste. Ele lembra que apesar do atraso na liberação, a verba está prevista no orçamento federal."Ninguém está pedindo nada a mais do que foi previsto. Há um compromisso, foi assinado um protocolo", disse Alckmin, referindo-se à parceria para a construção do Rodoanel. Há cerca de um mês, após visita a um dos canteiros de obras do trecho oeste, Padilha anunciou que estava assinando autorização para a liberação de R$ 90 milhões. Alckmin não quis falar sobre qual seria o motivo da não liberação. "Quem pode responder essa pergunta é o ministro. No orçamento, o dinheiro está."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.