Governo garante segurança de funcionários de ônibus em Florianópolis

Sindicato quer ônibus circulando das 7h às 19h; prefeitura pede circulação até 23h

Júlio Castro,

15 Fevereiro 2013 | 18h00

FLORIANÓPOLIS - O governo de Santa Catarina e a prefeitura de Florianópolis vão garantir a segurança aos usuários, motoristas e cobradores do transporte coletivo na grande Florianópolis. A decisão foi tomada na manhã desta sexta-feira, menos de 24 horas depois que o sindicato de motoristas e cobradores anunciou que o serviço, condicionado ao aumento da segurança, será prestado à população apenas no período das 7h às 19h diariamente. Governo e prefeitura querem que o sistema funcione até às 23 horas, diariamente.

Na reunião, que contou com a presença do secretário de estado da Infraestrutura, Valdir Cobalchini; secretário de Transportes de Florianópolis, Valmir Piacentini; diretores do Departamento de Transportes e Terminais (Deter); Polícia Militar e Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos da Grande Florianópolis ficou acertado que serão disponibilizados 80 veículos, sendo 40 cedidos pela prefeitura e 40 pelo Estado para fazer a escolta dos ônibus a partir das 20 horas. Policiais que estavam atuando na Operação Veraneio também foram convocados para escoltas. "A função do Estado é garantir a segurança e exigir das empresas que cumpram os contratos de concessões", disse Valdir Cobalchini.

O prefeito de Florianópolis César Souza Júnior garantiu mais 50 carros de serviço da prefeitura, além dos 40 locados. Há cerca de uma semana, carros locados e conduzidos por policiais militares já rodaram cerca de 120 mil quilômetros. Foram 3.600 viagens de escolta a ônibus, principais alvos das ações de criminosos ligados ao Primeiro Grupo Catarinense (PGC). "Não podemos transformar a cidade em baderna e provocar o caos na população. Não há razão para medida tão radical", disse, referindo-se a decisão do Sintraturb, acrescentando que enquanto houve escolta aos ônibus não houve nenhum registro de atentado contra ônibus.

Mais conteúdo sobre:
Santa Catarina atentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.