Governo libera R$ 72 milhões para obras emergenciais em rodovias de PE e AL

Recursos serão usados para recuperar malha rodoviária federal, com trechos parcial ou totalmente destruídos; tráfego de veículos interrompido na altura do km 186 na BR-101

estadão.com.br

23 de junho de 2010 | 12h11

  

 

SÃO PAULO - O Ministério dos Transportes, através do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), liberou R$ 72 milhões para obras emergenciais nas rodovias de Alagoas e Pernambuco, castigados pelas chuvas dos últimos dias, que já deixaram 44 mortos nos dois Estados.

 

Veja também:

linkNúmero de mortos no NE sobe para 44

linkProdutos doados às vítimas em AL têm isenção de ICMS

linkChuva deve continuar em Pernambuco e Alagoas

 

De acordo com a Secretaria de Estado da Comunicação de Alagoas, os recursos serão necessários para recuperar a trafegabilidade da malha rodoviária federal, com trechos parcial ou totalmente destruídos, por conta do volume e da velocidade das águas que transbordaram, nos principais rios da região.

 

No último fim de semana, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, sobrevoou as regiões afetadas e relatou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva todas as medidas que estão sendo tomadas para recuperar, principalmente, o principal eixo rodoviário que liga os dois estados atingidos - a BR-101, além de garantir apoio aos governos estaduais nas medidas emergenciais de recuperação dos acessos aos municípios atingidos.

 

Foi constatado que as fortes precipitações pluviométricas nas cabeceiras dos rios Paraíba (AL), Camarajibe (AL), Una (PE), Sirinhaém (PE) e Mundaú (AL e PE) levaram ao transbordamento e provocaram grande destruição em inúmeras cidades e povoados localizados às margens desses rios.

 

Com o tráfego de veículos interrompido, na BR-101, na altura do km 186, a alternativa para os motoristas que trafegam no sentido Maceió-Recife é a PE-060.

 

O DNIT aprovou na terça-feira, 22, em sua Diretoria Colegiada, o caráter de obra emergencial para reconstrução das pontes da BR-101 (em Pernambuco), ao custo total de R$ 72 milhões. Os projetos para a construção das novas pontes serão executados de imediato, paralelamente aos serviços de limpeza da área atingida, assim que as águas baixarem, no rio Una. O governo federal trabalha agora para concluir essa reconstrução num período menor que os 180 dias previstos na ordem de serviço.

 

O secretário-executivo do Ministério dos Transportes, Mauro Barbosa, destacou que essa mobilidade para a recuperação das rodovias ganhou agilidade, em função da presença, na região, de canteiros de obras para a duplicação da BR-101. "Tivemos condições de agir rápido, porque já estávamos na pista", destacou.

 

Na BR-101, em Alagoas, na altura de Rio Largo, a cabeceira de duas pontes sobre o rio Mundaú ruiu, devido à força das águas. O tráfego está interrompido, havendo desvio pela BR-316/AL. Ainda nessa rodovia, nas proximidades da divisa entre AL e PE (km 0), a ponte sobre o rio Jacuípe está com a cabeceira do lado pernambucano comprometida, devido ao processo erosivo decorrente das chuvas. O tráfego está interrompido, com desvio sendo feito pela BR-104, com alternativa pela AL-101 Norte.

 

Na altura da cidade de Messias (AL), as águas atingiram 1,5 metro acima do nível da pista da BR-104, mas não houve rompimento do leito da estrada e o tráfego já está liberado.

 

O DNIT também avaliou e liberou ao tráfego, em Alagoas, trechos da BR-316, que tiveram pontes sobre o rio Mundaú cobertas pela água. A situação foi normalizada, sem comprometimento estrutural dessas construções.

 

Na BR-416, em Alagoas, o DNIT trabalhava no trecho próximo à Colônia Leopoldina, rompido pela força das águas de temporais ocorridos nas últimas anteriores e agravado, no com as últimas chuvas. O serviço só poderá ser retomado, com a melhora climática, sendo que a previsão anterior para conclusão das obras era para início de julho.

 

Quanto ao acesso a diversas cidades, foi ajustado entre os ministérios dos Transportes, e da Defesa, a disponibilização de duas pontes móveis, uma de 40 metros e outra de 60 metros que serão decompostas em módulos de 10 metros para atendimento às demandas locais, sob responsabilidade do Exército Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.