Governo mantêm setor aéreo em ´sistema de pane´, diz Serra

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), criticou nesta segunda-feira, 12, governo federal por manter em "sistema de pane" o setor de transporte aéreo brasileiro, principalmente no Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, que por conta de problemas na pista principal não pode ser utilizado, conforme decisão judicial, em dias de chuva. "Há anos a Infraero executa obras em Congonhas e não resolve o problema principal, que é reformar a pista", criticou o governador em entrevista coletiva ao chegar à sede da Federação do Comércio de São Paulo (Fecomércio-SP) para acompanhar a posse do novo Conselho Deliberativo do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP). "Este assunto não é da órbita estadual, porque, se fosse, eu interviria", acrescentou. De acordo com Serra, as autoridades federais "andam muito devagar" na solução dos problemas aéreos brasileiros e, em nenhum momento, tanto o governo federal como a Infraero consultaram o governo estadual para debater saídas para os gargalos do setor. "Não nos furtaríamos a participar das soluções", insistiu o governador. Em suas críticas, Serra lembrou que Congonhas é hoje a principal fonte de arrecadação da Infraero e nem por isso tem merecido uma atenção especial do Executivo Federal. Ao mesmo tempo, pontuou que a crise do sistema tem comprometido não apenas o transporte de passageiros, como também o de cargas, se tornando, assim, mais um entrave para o crescimento econômico brasileiro. "O que São Paulo pode fazer apenas é vocalizar essa situação que tanto prejudica a população e as empresas do Estado e do Brasil", queixou-se.

Agencia Estado,

12 Fevereiro 2007 | 19h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.