Governo monta força-tarefa para investigar massacre em presídio de Manaus

Equipes de três delegacias deverão coordenar o trabalho com objetivo de identificar os envolvidos nos assassinatos

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2017 | 20h07

SÃO PAULO - O governo do Estado do Amazonas decidiu criar uma força-tarefa para investigar o massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, que deixou 56 mortos na madrugada desta segunda-feira, 2. Equipes de três delegacias deverão coordenar o trabalho com objetivo de identificar os envolvidos nos assassinatos. 

 

Segundo nota enviada pela administração, a criação da força-tarefa ocorreu por orientação do Comitê de Gerenciamento de Crise do Sistema de Segurança, que conta com integrantes de mais de 20 órgãos federais, estaduais e municipais e acompanha a situação do Sistema prisional da capital. A delegacia de homicídios e sequestros, a seccional oeste e o 20° Distrito Integrado de Polícia  (DIP) participam da operação.

 

O objetivo inicial é identificar as lideranças da facção Família do Norte, que coordenou o ataque contra integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), para responsabilizá-los criminalmente. "Todo o trabalho será iniciado a partir das imagens de câmeras do circuito interno de segurança da penitenciária. Eles também vão colher depoimentos de presos e de agentes penitenciários da unidade", disse o delegado-Geral Francisco Sobrinho. 

 

Identificação. O governo informou que o processo de identificação das vítimas está ocorrendo desde as primeiras horas da manhã. As impressões digitais dos corpos foram coletadas e foi iniciado levantamento de informações com familiares dos detentos. 

 

"O efetivo do IML e do Instituto de Criminalística está todo empregado para viabilizar em tempo hábil a liberação de todos os corpos. Estamos aguardando os resultados das impressões papilares que foram coletadas e enviadas ao Instituto de Identificação", disse. 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO IML Polícia Científica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.