Governo pressionou vale por siderúrgica

A instalação da siderúrgica da Vale em Marabá é resultado de uma queda de braço da empresa com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2011 | 00h00

Roger Agnelli, ex-presidente da Vale, foi pressionado a investir no processamento do minério de ferro da mina de Carajás, no sul do Pará, em vez de dar prioridade à exportação de matéria-prima para a China.

No lançamento da obra, em junho do ano passado, Agnelli fez um discurso em que apontou a "marca" de Lula no projeto.

O governo exerce influência na empresa porque, entre seus sócios, estão fundos de pensão de empresas estatais, na prática controlados pelo Palácio do Planalto. Os desentendimentos entre governo e Agnelli acabaram levando à substituição do executivo por Murilo Ferreira, em abril.

A siderúrgica, um investimento de US$ 3,2 bilhões, deve começar a operar em 2014. A empresa estima que terá 16 mil funcionários na região e que outros 14 mil empregos serão gerados de forma indireta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.