Governo quer curso sobre crimes financeiros na universidade

O governo vai tentar incluir no currículo de alguns cursos universitários, como direito e economia, uma disciplina sobre crimes financeiros. No encontro realizado entre autoridades das áreas policial e jurídica, no último fim de semana, em Pirenópolis (GO), ficou claro que hoje existem poucos especialistas no país nesse assunto e poucos deles estão no serviço público. No domingo, foram anunciadas 13 propostas de combate à lavagem de dinheiro. Na próxima segunda-feira, uma nova reunião de vários orgãos dos poderes Executivo e Judiciário deve lançar novas propostas.Durante o encontro, foi definida a Estratégia Nacional de Combate à Lavagem de Dinheiro (Encla). No entanto, um dos problemas levantados nas discussões foi a falta de técnicos, tanto na Polícia Federal quanto no Ministério Público Federal, instituições encarregadas pelas investigações deste tipo de crime.Pela avaliação do governo e do Poder Judiciário, o avanço tecnológico e estrutural das quadrilhas dedicadas ao crime organizado não foi seguido pelos investigadores. "Temos que mecanizar os organismos de repressão à lavagem, e um dos meios é capacitar pessoal", afirma a secretária nacional de Justiça, Cláudia Chagas. Segundo ela, o Ministério da Justiça vai sugerir a adoção, dentro de alguns cursos universitários, de ensinamentos sobre crimes financeiros. "Hoje isso poderia ser aplicado, entre outras disciplinas, em direito e economia", acrescenta a secretária.Até que que as novas disciplinas sejam incluídas nos currículos universitários, contudo, o governo e o Judiciário pretendem realizar cursos para policiais, integrantes dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, possivelmente em forma de extensão ou pós-graduação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.