Governo quer R$ 3 bi por 49% das ações da Infraero

O governo planeja arrecadar R$ 3 bilhões com a venda de 49% das ações da Infraero, quando o capital da empresa for vendido em bolsas de valores. Esse é o valor com o qual trabalha a equipe econômica e já foi comunicado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes que a Infraero seja transformada em uma sociedade anônima, no entanto, o governo terá de enviar ao Congresso um projeto de lei destinado a abrir o capital da autarquia ao setor privado. Segundo um auxiliar de Lula, a nova Infraero funcionará nos moldes do Banco do Brasil e da Petrobrás, controladas pelo governo, mas com ações vendidas para grandes e, principalmente, pequenos poupadores. O governo prevê que as ações serão muito valorizadas, visto que se trata de um monopólio que administra aeroportos e shoppings montados neles, além de receber uma taxa de todos os passageiros. A pulverização das ações da Infraero nas bolsas de valores é a alternativa que o governo tem para buscar mais recursos para investimentos no setor aéreo. Atualmente, 90% do capital da Infraero pertence ao governo e 10% ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ainda de acordo com o auxiliar do presidente, o projeto de lei que será enviado ao Congresso para autorizar a venda das ações deve ficar pronto em até seis meses. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, informou ontem que o governo vai buscar no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) mais R$ 2 bilhões para investir no setor - já estavam previstos R$ 3 bilhões até 2010. Assim, o governo espera ter R$ 8 bilhões para obras de ampliação e melhoria dos aeroportos até o fim do mandato de Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.