Governo quer técnicos no instituto para evitar fraudes e influências

O governo tem dificuldades para vencer a barreira de interesses políticos que envolvem as nomeações dos superintendentes regionais do Incra. Isso explica em parte o fato de só terem sido feitas seis nomeações (AL, SE, PB, CE, RN e RS) diante de um total de 30 superintendências.

Roldão Arruda, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2011 | 00h00

Na maior parte das vezes, quem define o nome do superintendente são as forças políticas locais aliadas do governo, com a participação de líderes regionais de movimentos ligados à reforma agrária - como o MST e a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Esse critério tem sido desastroso, de acordo com uma análise que circulou no início deste ano entre funcionários do Incra e do Ministério do Desenvolvimento Agrário e chegou à Presidência da República. Por essa análise, que surgiu no rastro de uma série de escândalos envolvendo casos de corrupção em superintendências regionais, os superintendentes frequentemente não se subordinam à presidência do órgão, não se comprometem com metas federais e agem por conta própria, mais atentos a critérios políticos do que técnicos.

Diante deste quadro, o governo federal decidiu neste ano privilegiar o critério técnico na escolha dos superintendentes. Outra decisão foi dar prioridade aos nomes que saem do quadro de funcionários do Incra.

Os seis nomeados até agora seguiram esses critérios: têm qualidades técnicas e são do Incra. Isso tem merecido elogios das associações de funcionários, mas, por outro lado, também provoca atritos com o PT e aliados políticos. Com vontade de influir mais na escolha, eles acabam emperrando o processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.