Governos do Ceará e Rio lamentam morte de Chico Anysio e decretam luto oficial

Prefeito do Rio Eduardo Paes parabenizou o trabalho de Chico, a quem se referiu como 'gênio do humor'

Ítalo Reis, estadão.com.br

23 Março 2012 | 18h03

SÃO PAULO - Os governos do Ceará e do Rio lamentaram a morte de Chico Anysio na tarde desta sexta-feira, 23, e decretaram luto oficial de três dias pela perda. O humorista nasceu em Maranguape, na região metropolitana de Fortaleza, mas viveu na capital fluminense desde os 8 anos de idade. Em nota, o prefeito do Rio Eduardo Paes parabenizou o trabalho de Chico, a quem se referiu como "gênio do humor".

"O Brasil se despede hoje do mestre em criar tipos memoráveis, Chico Anysio foi responsável por algo extraordinário: encher de sorrisos o povo brasileiro. Com a morte, a nossa cidade perde o seu maior representante na arte de fazer rir."

Já Cid Gomes, governador do Ceará, citou Chico como um inspirador que "criou escola" e fez do Estado um "celeiro de grandes humoristas". "Cala-se o extraordinário profissional do riso, silenciam seus personagens inesquecíveis, que durante décadas traduziram, com graça e fino humor, as esperanças, angústias e alegrias do nosso povo", disse em comunicado.

A prefeitura de Maranguape, cidade natal de Chico, também lamentou a morte do humorista. "É com enorme pesar que recebemos a notícia do falecimento do nosso conterrâneo. O município lamenta a perda desse artista que tanto nos trouxe alegria com sua genialidade. Nossa solidariedade a esposa, Malga Di Paula e aos familiares". O governador fluminense Sérgio Cabral citou a Escolinha do Professor Raimundo ao também estimar o trabalho de Chico e lamentar sua perda. "Chico soube fazer com maestria e leveza a transição do rádio para a televisão. Divertiu e semeou para sempre este encanto a todos os brasileiros com os seus mais de 200 personagens", afirmou em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.