Grande Rio quer levar cardeal para ver cenas do Kama Sutra

A direção da escola de samba Grande Rio quer levar o cardeal arcebispo do Rio, dom Eusébio Scheid, a seu barracão para mostrar o carro alegórico com cenas do Kama Sutra que ilustram o enredo Vamos Vestir a Camisinha, meu Amor. Na missa de São Sebastião, que rezou ontem, dom Eusébio ressaltou que ignora o conteúdo do enredo, mas advertiu. ?Se for desacreditar o carnaval perante o mundo, através de uma cena indecorosa e inaceitável, a Justiça deveria intervir.? Ontem, a arquidiocese não comentou o convite da agremiação de Duque de Caxias e evitou abordar o assunto.O carnavalesco da escola, Joãosinho Trinta, que há 15 anos teve um Cristo Redentor Mendigo interditado no desfile Ratos eUrubus, Larguem a Minha Fantasia, que deu o campeonato à Beija-Flor de Nilópolis, reclama que a Igreja Católica não tenhamudado nessa década e meia.?Continua bastante medieval. Proibir o uso da camisinha está fora do tempo e do espaço?, diz o carnavalesco. ?O enredo é educativo e conta uma história milenar, com uma mensagem altamente positiva para jovens, adultos e até a melhor idade.? O presidente da Grande Rio, Hélio Ribeiro de Oliveira, considera a atitude do cardeal precipitada e garante que o desfile da agremiação não agride ninguém, pelo contrário, engaja-se na campanha do governo de combate à aids e outras doenças sexualmente transmissíveis. ?Nem seríamos tão irresponsáveis a ponto de mostrar para o mundo inteiro, através da mídia, imagens que não pudessem ser vistas por qualquer pessoa, inclusive crianças?, prometeu. ?Seria muito bom se o arcebispo viesse aqui ou mandasse alguém para conhecer nosso enredo.? Joãosinho Trinta nega-se a mudar qualquer coisa no desfile.?Absolutamente, a alegoria dá uma visão do Kama Sutra, que no dialeto indiano quer dizer Lições de Amor. Segundo eles, cadaposição gera um tipo de ser humano?, ensina o carnavalesco. Em 1989, depois que a Cúria Metropolitana obteve liminar naJustiça proibindo a exibição do Cristo Mengido, ele cobriu a estátua com um plástico preto e os dizeres ?Mesmo proibido, olhai por nós?. A Cúria obteve uma segunda liminar contra a estátua coberta, mas o carnavalesco não assinou a ordem judicial e voltou ao sambódromo com ela, Quando a escola passava, passistas rasgaram o plástico deixando o Cristo Mendigo à vista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.