Grande São Paulo registra 42 assassinatos em 3 dias

Assassinatos, furtos e assaltos marcaram os três primeiros dias de 2003 na capital e na Grande São Paulo. A violência deixou um total de 42 assassinatos, 25 deles na capital, média de 13,6 mortes por dia. O número de homicídios é igual aos de crimes registrados nos fins de semana.Os policiais militares também foram vítimas de ladrões e de atos de vingança. Em menos de uma semana, cinco PMs foram mortos a tiros, um deles teve o corpo queimado. No ano passado, 185 PMs foram assassinados.Santo Amaro, na zona sul, e São Mateus e Itaquera, na leste, registraram o maior número de homicídios. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, do dia 1º até esta sexta-feira ocorreram na capital 2 assassinatos no centro, 3 na região sul, 2 na oeste, 3 na norte, 6 em Santo Amaro, 5 em São Mateus e 4 em Itaquera.Na Grande São Paulo, o maior número de homicídios foi registrado em Diadema, São Bernardo do Campo, Embu e Osasco.No ano passado, de janeiro a dezembro, a capital registrou 4.444 homicídios. Apesar da queda ? em 2001 foram 5.174 assassinatos ?, os policiais responsáveis pelas delegacias da capital e Grande São Paulo prometem mais empenho para evitar e esclarecer crimes, além de prender os criminosos. ?Estamos reforçando as equipes nas seccionais para auxiliar na identificação e na prisão dos autores de assassinatos, furtos e roubos?, disse o delegado Ângelo Isola, do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap).O diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro), Nelson Silveira Guimarães, reuniu nesta sexta-feira os delegados responsáveis pelos 38 municípios e pediu empenho na captura de homicidas, ladrões e seqüestradores. ?Nós registramos 17 homicídios, vamos prender os autores em pouco tempo para evitar que os homicídios aumentem?, afirmou Guimarães, que está há 20 dias na chefia do Demacro.SoldadoUm dos assassinatos desta quinta-feira ocorreu na zona norte e teve como vítima o soldado da Polícia Militar Antônio Carlos Damas, de 34 anos, morto por ladrões. O crime ocorreu na Rua Ribeiro do Salto, em Vila Roque.Lotado na 1ª Companhia do 9º Batalhão da Polícia Militar, Damas estava sem farda e pilotava uma moto Twister. Ele foi atacado por quatro homens em um Gol, que queriam a moto. Armado com uma pistola, Damas acelerou para fugir, mas não teve tempo de usar a arma. Os bandidos atiraram nas costas do soldado.Com o PM no chão, um dos ladrões pegou a arma que estava ao lado do corpo e saiu com a moto, sendo seguido pelos demais no Gol. Damas morreu quando era socorrido. Casado, dois filhos, estava na PM havia 15 anos. Ivo Nunes, cunhado do soldado, disse que o irmão de Damas e o primo também são policiais militares. Damas saíra de Osasco, onde morava, para visitar a mãe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.