Gravação revela plano para explodir muros de Bangu 1

Gravações com escuta telefônica da Polícia Civil revelaram um plano de criminosos ligados ao traficante Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, para explodir os muros dos presídios de Bangu 1 ? onde ele está preso ? e Bangu 4. A ação seria realizada nesta terça-feira à noite.Também seriam libertados alguns de seus aliados mais próximos, Juliano Oliveira, oJuca, e Alexsandro Cardoso, o Chiquinho Meleca. De acordo com o coordenador dasdelegacias especializadas do Rio, Fernando Moraes, o plano previa uma açãosimultânea com o Primeiro Comando da Capital (PCC), em São Paulo, onde umpresídio também seria alvo.Quatro pessoas que tratavam diretamente do planejamento foram presas com trêsbananas de dinamite ?Meg Gel?, em forma de gel, estopins e um aparelho de controleremoto, que seria utilizado para acionar os explosivos à distância. Ainda há integrantesdo bando soltos.A ação estava inicialmente agendada para a próxima semana, porémfoi adiantada, o que levou a polícia a atuar mais rapidamente do que pretendia, disseMoraes. ?Os explosivos têm capacidade para abrir um grande buraco nos muros de Bangu. Elesprovavelmente formariam um ?bonde? armado com mais de 50 bandidos do ComandoVermelho para invadir os presídios e resgatar os presos à força?, disse o delegado,para quem o principal temor era de um eventual atentado em lugar público para desviar aatenção da polícia.A mulher do preso Aníbal Leão Cardoso, Ana Cristina Palucci, que está grávida,coordenava as ações por telefone, em conversas com o marido. O padrasto dela,Carlos Alberto Palucci, o Carlão, técnico em eletrônica, estava preparando o controleremoto e fazendo os testes com o aparato.Tudo era monitorado pela equipe da Delegacia Anti-Seqüestro havia uma semana. Lourivaldo Loureiro da Silva, o Gambá, foi o responsável por trazer as bananas de dinamite de São Paulo, e uma mulher identificada como Vera havia feito o reconhecimento dos presídios.?Já fiz o mapa de Bangu 1, Bangu 4, as câmeras dos presídios... Lá atrás, em Bangu 4,tem um lugar bom, escuro, onde ninguém vai vê-los sair...?, diz Vera, em um dostrechos. ?Mas faz barulho!?, responde Ana Cristina. ?Faz barulho??, pergunta Vera. ?Pô,derruba três casas!? Ambas concordam em que tem que rezar muito para dar tudo certo.Em conversa com o marido, Ana Cristina combina um teste dos explosivos para esta terça,mesmo dia em que promoveriam a fuga. ?Faz o teste lá na pedreira?, sugere Aníbal.?Não precisa falar o nome, não fala o nome não...?, diz Ana Cristina, desconfiada deestar sendo alvo de escuta telefônica.Outra conversa, entre Carlão e o preso, mostraque o PCC estaria interessado em saber quais explosivos seriam usados na derrubada domuro. ?Até os amigos lá do PCC querem saber?, diz Carlão.A ousadia da ação assustou até o coordenador das delegacias especializadas, Fernando Moraes. ?Estamos começando a viver uma nova era, de atentados, e se asautoridades não tomarem cuidado, nós vamos perder esta guerra.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.