Grávida de quíntuplos pede ajuda para criar bebês

A doméstica Maria Alice Soares, de 25 anos, está no quinto mês de uma gravidez de quíntuplos e os exames de ultra-sonografia confirmam que quatro das cinco crianças são do sexo masculino. A única ajuda oficial que recebeu até agora foram exames em hospitais públicos de Ariquemes e Porto Velho, mais a promessa de transferência de Rondônia para um hospital especializado de Brasília.No sítio Cajazeiras, a 20 quilômetros da zona urbana de Ariquemes, onde está localizada a maior mina de cassiterita a céu aberto do mundo, elaaguarda pacientemente pela solidariedade dos vizinhos, pois a renda familiar é de cercade R$ 400,00.Casada com o agricultor Pedro Darme Filho, 35, ainda acolheu a mãe e tem outros filhos menores de 7 anos. Admite, no entanto, não ter condiçõesfinanceiras de criar os bebês sem ajuda do governo. "Ainda não tenho nada e nemtenho condições de comprar", disse à prefeita Daniela Amorim, nesta quarta-feira.A transferência de Maria Alice para outro centro médico de maiores recursos foi recomendada por uma junta médica do hospital de base Dr. Ary Pinheiro, de Porto Velho. A obstetraRita de Cássia diz que a medida é mais por precaução do que por falta de meios.Terminou admitindo que o alto risco do parto preocupa a equipe da Sesau. O secretárioda Saúde, Miguel Sena, prevê a melhoria dos serviços de saúde no prazo de seis meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.