Grávida defende descriminalização do aborto e post viraliza no Facebook

'Jamais vou usar a minha gestação contra elas (mulheres que abortam)', diz pedagoga de 25 anos

Gabriel Pinheiro, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2015 | 13h34

Uma mensagem a favor da descriminalização do aborto publicada no Facebook na última terça-feira, 10, por uma pedagoga não para de ganhar repercussão. Grávida pela segunda vez, Gaabriela Moura, de 25 anos, exibe seu barrigão no post - e faz uma defesa acalorada pelo direito das mulheres decidirem se querem ou não dar à luz. "Estou ao lado dos direitos reprodutivos das mulheres. Eu sou totalmente favorável à descriminalização do aborto, ao respeito às mulheres e suas escolhas e seus corpos", escreve a pedagoga na mensagem, que passou da marca de 30 mil curtidas e está sendo compartilhada milhares de vezes. "Mulheres casadas abortam, cristãs abortam, prostitutas abortam, mulheres de mais de 40 anos, mulheres de menos idade abortam e eu jamais vou usar a minha gestação contra elas", acrescenta.

Veja o post no íntegra:

Os comentários são, em sua maioria, favoráveis à Gaabriela. "Quem dera todas as pessoas tivessem o discernimento que você tem de conseguir enxergar o outro lado das coisas, mesmo vivendo somente um deles", publicou Luiza Gosling. "Todos deveríamos ser a favor da descriminação, não por nós, mas pelo outro que pode não ter a mesma condição seja psicologica ou financeira de ter um filho no momento", escreveu Patricia Spurio.

Com a repercussão, vieram também as críticas. "Sinceramente, continuo sendo contra o aborto, e é seu direito lutar para discriminação do mesmo assim como é meu direito defender aquilo em que acredito: a vida", comentou Kellydogelson Moreira. "Muito fácil simplesmente abortar. É uma vida!", ponderou Isabella Vasconcellos.

Em sua última postagem na rede social, a pedagoga afirma que está deletando comentários ofensivos e mensagens de ódio contra as mulheres.

Tudo o que sabemos sobre:
abortográvidaFacebook

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.