Grávida é morta por bala perdida; bebê consegue sobreviver

A auxiliar administrativa Lilian da Silva de Oliveira, de 17 anos, grávida de oito meses, morreu depois de ser atingida por uma bala perdida, durante tiroteio entre traficantes da favela Nova Brasília, em Niterói, Grande Rio, onde a jovem morava. Os médicos do Hospital Estadual Azevedo Lima conseguiram salvar o bebê, chamado Guilherme, mas ele ainda está em estado grave.O confronto começou quando traficantes rivais da favela Coronel Leôncio foram à Nova Brasília revidar um ataque que haviam sofrido horas antes. O pai de Lilian, o assessor parlamentar Agnaldo Gomes de Oliveira, de 43 anos, contou que a filha voltava do açougue quando foi atingida pelos tiros. A jovem ia se casar no fim do ano.Eleonora Orvelin, diretora-geral do Hospital Azevedo Lima, em Niterói, disse que foi um "milagre" o bebê sair com vida, já que Lilian chegou morta ao hospital, por volta de 19h45 de quarta-feira. "Nesses casos, a criança só sobrevive no máximo de 10 a 15 minutos. A velocidade de socorro possibilitou que o salvássemos". Guilherme precisou ser reanimado quando saiu da barriga da mãe e está na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.