Greve chega ao fim, mas aeroportos estão lotados

Mesmo com o fim da greve dos controladores aéreos, os passageiros ainda enfrentam dificuldades em todo o país. O movimento grevista começou em Brasília, onde o aeroporto Juscelino Kubitschek registra na manhã deste sábado, 31, muitos vôos cancelados e muitos passageiros não vão conseguir viajar. Em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba a situação é semelhante.No aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã deste sábado, 31, boletim divulgado pela Infraero, às 8 horas, dava conta que, de 47 vôos programados, 11 estavam atrasados. No site oficial da Infraero, há registro de que às 9h37, dos 15 vôos com decolagem prevista no aeroporto de Congonhas - o mais movimentado do Brasil -, quatro tinham mais de uma hora de atraso. Em Congonhas, um dos aeroportos de maior movimento do País, os passageiros começaram a ser chamados para o embarque apenas às 6h30, segundo o site da CBN. O movimento no aeroporto de Guarulhos aumenta a cada hora e as companhias aéreas orientam as pessoas a confirmarem seu vôo por telefone ou pelos sites das companhias na internet, antes de se dirigirem aos aeroportos.No site da Gol há a seguinte informação: "Atenção passageiros! Devido ao fechamento de todos os aeroportos do Brasil nesta sexta-feira (30/03/07), a Gol Linhas Aéreas pede que seus passageiros não compareçam aos aeroportos. Todas as remarcações serão feitas pela Central de Relacionamento com o Cliente sem cobrança de taxas e diferenças tarifárias. Não há previsão de retorno das operações. A Gol agradece sua compreensão."BrasíliaNo aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, o movimento nesta manhã de sábado é intenso e há longas filas nos guichês de todas as companhias. A assessoria da Infraero na capital informou que no início da manhã, estavam decolando apenas vôos com destino à Região Norte, a cada 30 minutos. Por volta das 10 horas, no entanto, as companhias começaram a chamar para embarque alguns vôos destinados a outras regiões. A Infraero não soube dizer quantos vôos já decolaram nesta manhã.O aeroporto de Brasília foi aberto às 5h49. A maioria dos vôos para a Região Norte tem como destino Belém e Manaus. Vários vôos previstos para decolar durante a manhã foram cancelados. Os maiores problemas, segundo informações extra-oficiais, estão localizados na Gol, que cancelou 11 vôos. O problema é que, pelas normas, os pilotos têm que cumprir ao menos 12 horas de descanso, mas ficaram de plantão no aeroporto na expectativa de que algum vôo saísse. Por isso, dormiram tarde. No caso das outras companhias, os problemas, embora existam, parecem ser menores.Rio e CuritibaNo Rio, muitos passageiros passaram a noite no aeroporto internacional Tom Jobim. Os atrasos causaram revolta entre os passageiros, que se queixaram das companhias aéreas e da Infraero, por não pagarem alimentação ou hospedagem para eles. Em Curitiba, o aeroporto ficou fechado durante toda a madrugada. O aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, voltou a operar somente por volta das 8h30 de hoje, em razão do forte nevoeiro, que obrigou ao fechamento às 21h40 de ontem. Somando-se isso aos reflexos da paralisação, o que se vê é o atraso em alguns vôos na manhã de hoje, mas não há tumulto no saguão, apenas filas de check-in e remarcação de passagens. A Gol ofereceu passagens de ônibus de Curitiba para Porto Alegre para os passageiros que fariam este trecho em seus aviões.NegociaçãoApós quase cinco horas de paralisação do tráfego aéreo brasileiro e de caos nos aeroportos, na sexta-feira, 30, o governo cedeu às reivindicações dos controladores de vôo e fechou com a categoria um acordo que prevê a gradual desmilitarização da atividade. Diante da promessa, os controladores se comprometeram a restabelecer a normalidade nos aeroportos a partir da manhã deste sábado, 31. O acerto prevê a criação de um plano de carreira para a categoria com o pagamento de gratificação cujo valor não foi divulgado, mas que será depositada já nos próximos dias. As negociações ocorreram na sede do Cindacta-1, em Brasília, onde estavam aquartelados cerca de 120 controladores.(Matéria alterada às 11h, com novas informações)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.