Greve de agentes penitenciários é parcial

A greve dos agentes penitenciários foi parcial no primeiro dia. Governo e sindicatos da categoria fizeram balanços diferentes sobre o movimento. A Secretaria da Administração Penitenciária divulgou que três presídios pararam totalmente e, parcialmente, outros 21.O Sindicato Estadual dos Funcionários do Sistema Prisional afirmou que 40 penitenciárias aderiram à paralisação, informação que contradizia sindicalistas do interior.O governo chamou de greve total os casos de prisões onde os detentos não saíram para o banho de sol, o que ocorreu em Araraquara, na Penitenciária 1 de Guarulhos e na Penitenciária do Estado, no Carandiru.Nas demais, teriam sido afetados os serviços de apresentação de presos à Justiça, transferências e o trabalho nas oficinas.O sindicato informou que nas unidades em greve só foram mantidas alimentação, saúde e libertação de presos pelo fim da pena.Em assembléia às 18h30, a categoria decidiu manter a paralisação. O presidente do sindicato, Nilson de Oliveira, disse que quer negociar e vai procurar o governo nesta sexta-feira.O secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, afirmou que o atendimento de reivindicações está condicionado ao retorno ao trabalho.Furukawa disse que as visitas do fim de semana estão garantidas. "Os diretores estão orientados a convocar os funcionários administrativos."Segundo Nagashi, a greve é ilegal, pois os agentes desempenham um serviço essencial. Para ele, quem participa da paralisação comete falta grave e pode até ser demitido.Os grevistas querem reajuste do salário inicial de R$ 810,00 para R$ 1.300,00, a compra de equipamentos de segurança e a contratação de 5.400 agentes.O governo acena com um possível aumento do abono de R$ 60,00 para R$ 100,00, a criação de um plano de carreira, a compra de detectores de metais e a contratação de 3 mil agentes.A Casa de Detenção de São Paulo amanheceu cercada por PMs a pé e a cavalo. Os parentes que se aglomeravam em frente ao presídio para entregar sacolas com mantimentos aos detentos foram obrigados a voltar para casa."Vim de São Bernardo do Campo e volto sem deixar nem mesmo os remédios do meu irmão", disse Adriana de Oliveira, cujo irmão Admilson está preso no Pavilhão 9 por roubo.Dos 316 agentes da Penitenciária de Araraquara, só 22 trabalharam, segundo o diretor do sindicato na região, João Batista Pancioni.A regional do sindicato, que abrange Ribeirão Preto, Itirapina e Casa Branca, informou que só Araraquara parou. Mas, em São Paulo, a direção da greve informou que Casa Branca também parou.Por causa da greve, um preso transferido de São Paulo não foi recebido em Araraquara. Ele teve de voltar à capital. Em Sorocaba, pararam a Penitenciária 1 e o Centro de Detenção Provisória."Os presos foram informados com antecedência e apoiaram a greve", disse Maurício Guarnieri, diretor da penitenciária.

Agencia Estado,

05 de abril de 2001 | 22h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.