Greve de metroviários prejudica 400 mil usuários no Recife

Greve de metroviários prejudica 400 mil usuários no Recife

Categoria quer mais segurança nas estações e nos trens; segundo sindicato, funcionários e usuários são alvos de constantes assaltos

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2014 | 09h39

RECIFE - Greve dos metroviários iniciada nesta terça-feira, 7, atinge 400 mil usuários do transporte no Grande Recife. A paralisação conta com adesão dos 1,7 mil funcionários da Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU) e é motivada pela falta de segurança de funcionários e usuários, alvos fáceis de constantes assaltos, de acordo com o diretor do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE), Lenival de Araújo.

"São apenas 110 funcionários da empresa para fazer a segurança e com os terceirizados não se conta", afirmou Araújo. O sindicato também pede a retirada de caixas eletrônicos das estações do metrô e parceria com a Polícia Militar para patrulhas nos locais, além de reforço da segurança nos dias de jogos de futebol.

Sem o metrô, houve reforço das linhas de ônibus, mas a insatisfação dos passageiros era grande, nesta manhã, com a pouca oferta e a demora do transporte.  A CBTU entrou com ação cautelar na Justiça do Trabalho para garantir o funcionamento dos trens nos horários de pico - das 5h às 9h e das 17 às 21 h.

Uma reunião de conciliação está marcada nesta quarta-feira, 8, à tarde, na sede do Tribunal Regional do Trabalho de Pernambuco (TRT-PE), no Recife.

Mais conteúdo sobre:
Pernambuco Greve Metrô Metroviários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.