Greve de ônibus prejudica 1,3 milhão de pessoas em Niterói, São Gonçalo e região

Categoria rejeitou proposta da empresas; justiça exige 60% da frota nas ruas e estipulou multa

estadão.com.br,

29 Março 2012 | 04h33

SÃO PAULO - Os motoristas e cobradores de ônibus das cidades de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá, na Região Metropolitana do Rio, entraram em greve, por tempo indeterminado, no início desta madrugada de quinta-feira. Cerca de 1,3 milhão de pessoas podem ser prejudicadas com esta paralisação.

 

A categoria reivindica 16% de reajuste salarial, 50% de aumento no valor da cesta básica, fim da dupla função e do motorista júnior, cujo salário é diferenciado dos demais. As empresas de ônibus haviam oferecido 10% de aumento no salário e 25% em relação às cestas, mas a categoria rejeitou durante assembleia realizada em Niterói às 16 horas de quinta-feira.

 

A justiça determinou que no mínimo 60% da frota circulem pelas ruas durante os horários de pico. A multa ao o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) em caso de descumprimento foi fixada em R$ 100 mil por dia. O anúncio fez com que a Barcas S/A programasse viagens extras nos horários de pico. Elas serão feitas de acordo com a demanda de passageiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.