Greve de ônibus prejudica 570 mil pessoas em SP

Entra no segundo dia consecutivo a greve de motoristas e cobradores de ônibus das empresas Trólebus Aricanduva, América do Sul e Expresso Paulistano, que integram o Consórcio Aricanduva. Em protesto ao não pagamento dos salários relativos ao mês de outubro, que deveria ter sido depositado no último dia 5, os funcionários prejudicam mais de 570 mil passageiros da zona Leste deixando na garagem os 886 ônibus que operam 98 linhas, a maioria partindo do terminal São Mateus, na Avenida Sapopemba, que foi fechado ontem por volta das 10h.Cumprindo o que prometeram ontem, os motoristas e cobradores dão continuidade ao protesto e se possível ampliarão as paralisações das empresas. A São Paulo Transportes (SPTrans) acionou a operação Paese com ônibus de outras empresas para cobrir parte da frota do Consórcio Aricanduva, mas o númeo de veículos é insuficiente. O Terminal São Mateus continua quase todo fechado. Apenas parte que opera com os trólebus que ligam a capital à região do ABC paulista e com outras linhas intermunicipais está aberta nesta manhã. Os ônibus que substituem parte do Consórcio Aricanduva e que normalmente têm como destino o Terminal São Mateus estão parando nas estações de metrô Itaquera e Carrão e no Terminal Parque dom Pedro II.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.