Greve de servidores da PF prejudica retirada de passaportes

Sindicato afirma que paralisação tem 90% de adesão; em São Paulo, emissão de passaportes é normal

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

26 Setembro 2007 | 11h38

A paralisação dos servidores da Polícia Federal continua nesta quarta-feira, 26, prejudicando serviços como a emissão e retirada de passaportes. De acordo com o Sindicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal (SINPECPF), cerca de 90% dos 5 mil servidores da PF aderiram à greve, que teve início na terça-feira, 25, por tempo indeterminado. Esta já é a terceira paralisação dos servidores da PF em 2007. Em São Paulo, porém, a retirada de passaportes é feita normalmente.   A presidente do sindicato, Hélia Cassemiro, afirmou que cerca de 50 servidores fazem uma manifestação na manhã desta quarta, no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, para convencer que outros funcionários também paralisem suas atividades.   Na maioria dos Estados, foram fechados setores essenciais como emissão de passaportes, protocolo, transportes e núcleo de informática. Ainda não foi divulgado um balanço do segundo dia de greve dos servidores administrativos.   Os trabalhadores esperam que o governo apresente proposta de reestruturação da carreira, em cumprimento do Termo de Compromisso firmado pelo Executivo com todas as classes da PF. Os manifestantes alegam que até agora somente a carreira de policial foi beneficiada.   "A primeira greve, em abril, foi uma advertência ao governo. Eles se comprometeram a cumprir o acordo. Suspendemos a greve. Chegamos em maio e fizemos mais uma greve, o governo veio e prometeu. Mas não fez. Agora não tem mais meio termo", afirmou na terça a presidente do sindicato.   (Com informações da Agência Brasil.)

Mais conteúdo sobre:
greve da PF passaporte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.