Greve dos fiscais retém 145 mil toneladas de mercadorias no RS

Produtos estão parados em 11 postos de fronteira do Estado e serviços laboratoriais também estão prejudicados

Tássia Kastner, O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2012 | 17h45

PORTO ALEGRE - Fiscais agropecuários no Rio Grande do Sul, responsáveis por conceder autorizações para o abate de animais e o transporte de carnes e cargas de grãos em portos, estimam que 145 mil toneladas de mercadorias, num valor de R$ 193 milhões, estão retidas desde o início da greve da categoria, na segunda-feira, 6. Os produtos estão parados em 11 postos de fronteira do Estado e, além disso, os serviços laboratoriais realizados pelos fiscais também estão prejudicados.

Segundo a delegacia estadual do Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), dos 271 servidores no Estado, cerca de 250 estão paralisados. Eles reivindicam reestruturação da carreira e reforço do efetivo por meio de concurso público.

A entidade afirma, no entanto, que todas as cargas estão sendo fiscalizadas, e análises laboratoriais são realizadas, mas apenas 30% dos laudos e certificações são liberados.

De acordo com a Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal, que representa 80% do funcionalismo, cerca de 350 mil servidores de 26 categorias aderiram à greve. Policiais federais, que nesta quinta completam três dias de paralisação, organizaram protestos em rodovias e operações-padrão em aeroportos.

Mais conteúdo sobre:
Greve servidores públicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.