Greve dos metroviários prejudica 115 mil em Belo Horizonte

Cerca de 115 mil pessoas que usam diariamente o metrô de Belo Horizonte ficaram prejudicadas nesta segunda-feira, 12, com a paralisação geral dos metroviários. Nenhuma das 25 composições circulou e todas as estações amanheceram fechadas. Os trabalhadores não aceitam a contraproposta de reajuste salarial da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). O Sindicato dos Metroviários reivindica um aumento de 11,71%, enquanto a empresa oferece 4,63%. A categoria também reclama um plano de saúde integral e aumento do valor do tíquete-refeição.O Ministério Público do Trabalho determinou ao sindicato a manutenção de escala mínima entre 6 e 11 horas, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. Se a greve persistir na terça-feira, 13, a escala mínima deverá ser adotada. Para tentar minimizar os transtornos à população, a BHTrans, empresa de ônibus da capital mineira, reforçou uma linha que faz o percurso entre a Estação São Gabriel - uma das mais movimentadas do metrô - e a região central da cidade. A frota foi duplicada e nos horários de pico os ônibus faziam viagens com intervalos de cinco minutos.

Agencia Estado,

12 de junho de 2006 | 17h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.