Greve na Febem fica restrita a Franco da Rocha

Funcionários da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem) cruzaram os braços nesta sexta-feira no complexo de Franco da Rocha. Policiais militares foram deslocados para reforçar a segurança. Os adolescentes passaram o dia trancados nas celas. À noite, os líderes do movimento tentariam levar a greve à unidade da Rodovia Raposo Tavares.Segundo a Febem, aderiram à greve 85% dos funcionários das Unidades 30 e 31 e metade dos que trabalham nas Unidades 21, 25 e 29. O sindicato da categoria estima que 30% dos trabalhadores das unidades Tatuapé e Vila Maria também teriam cruzado os braços, mas a fundação negou a informação.No fim da tarde, a Febem relatou a situação ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT), na expectativa de que seja aplicada multa ao sindicato. O TRT concedeu liminar nesta quinta-feira determinando a presença de 70% dos funcionários nas unidades, com multa de R$ 20 mil por dia em caso de descumprimento. O sindicato alega desconhecer a decisão judicial.O presidente da entidade, Antonio Gilberto da Silva, alegou que a Febem não cumpriu acordos. "Queremos respeito, dignidade e segurança para trabalhar e a reintegração de funcionários demitidos."A fundação disse não ter atendido só uma de quatro reivindicações da categoria. Apesar da greve, as visitas do fim de semana estão mantidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.