Greve na polícia do RN termina após 36 dias

Acabou a greve dos 687 policiais civis do Rio Grande do Norte após 36 de paralisação. Hoje à tarde, em assembléia da categoria, na frente da Secretaria de Segurança Pública, no bairro da Ribeira, em Natal, os grevistas decidiram suspender o movimento e criticaram a posição dos 130 delegados, que não aderiram a greve. A paralisação foi mais forte na capital.Os policiais que reivindicavam um plano de reestruturação, incorporação de dois tipos de gratificação, de função policial e de plantão, que incidem respectivamente em 60% e 473,5% no salário-base de R$ 103,50, aceitaram um aumento médio de 25%, oferecido pelo governo.O secretário de Segurança Pública, Anísio Marinho Neto, que há poucos dias prometeu punir os grevistas com corte no ponto, recuou. "As faltas serão abonadas e os policiais pagarão suas ausências com horas extras nas delegacias", disse Marinho no início da noite. O projeto de lei determinando o reajuste da categoria será enviado nesta quarta-feira à Assembléia Legislativa e será retroativo a 1º de setembro.Um agente da Polícia Civil do RN, em início de carreira, passará a receber R$ 700,00. Até agosto, o ganho era de R$ 540,00. Em mais de um mês de braços cruzados, a categoria teve sua imagem atingida pelas prisão de três policiais que extorquiram comerciantes e a fuga de presos das delegacias da capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.