Greve nas prisões de SP tem 30% de adesão

O Sindicato dos Agentes Penitenciários de São Paulo estima que os funcionários de 28 dos 74 presídios do Estado aderiram à greve. Entre as penitenciárias atingidas pelo movimento estão a Casa de Detenção de São Paulo e Penitenciária do Estado, ambas na zona norte da capital paulista, Penitenciária de Guarulhos, na Grande São Paulo, Avaré, Marília e Araraquara, no interior do Estado. O sindicato acredita que, dos 17 mil agentes penitenciários que trabalham em São Paulo, cerca de 30% aderiram à paralisação.A movimentação esta manhã foi pequena em frente à Casa de Detenção de São Paulo. Desde cedo, representantes do sindicato estão fazendo uma panfletagem, mas não houve nenhum tipo de tumulto. Um único incidente foi registrado envolvendo um grupo de parentes dos presos. Eles estavam desde cedo no local para repassar sacolas com alimentos e produtos de higiene para os detentos, mas a entrega foi cancelada. Revoltados, os familiares tentaram bloquear a Avenida Ataliba Leonel, mas a situação foi controlada. Também estão paralisados hoje na Casa de Detenção os serviços que controlam o banho de sol e a entrada de advogados dos presos. Serviço de alimentação e a assistência médica aos presidiários estão mantidos.Até por volta das 11 horas, não havia qualquer indício de retomada das negociações entre os agentes penitenciários e representantes do governo do Estado. A categoria espera para hoje uma sinalização da Secretaria de Administração Penitenciária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.