Grevistas da PM-BA transferidos para cadeia comum

Em mais uma ação dura contra o movimento grevista da polícia baiana, o Comando da Polícia Militar no Estado transferiu, no final de semana, do Batalhão de Choque para o Presídio de Salvador 12 policiais militares que haviam sido detidos nos últimos dias, por incitar greve na corporação. Até o momento, a Justiça Militar decretou a prisão preventiva de 22 PMs (dez ainda foragidos), apontados como líderes da rebelião na semana passada, quando houve a tentativa de aquartelamento em três unidades da Polícia Militar em Salvador.A nova medida da cúpula da polícia baiana irritou mais ainda os grevistas e simpatizantes do movimento. Os policiais reivindicam um piso de R$ 1,2 mil. Eles continuam ameaçando fazer greve durante o carnaval. Nesta tarde, a deputada Moema Gramacho (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado, tentava judicialmente transferir os detidos para um local ?mais apropriado?. Vários policiais temiam que os grevistas fossem mortos por presos comuns no Presídio de Salvador.O chefe da assessoria de comunicação da PM, coronel Jorge Silva Ramos, garantiu, no entanto, que os grevistas vão ficar isolados, em celas especiais, longe dos presos e dos policiais condenados por crimes comuns. Ele justificou a transferência por "falta de unidades específicas" para manter os grevistas, informando que o Batalhão de Choque já estaria lotado por policiais acusados de crimes comuns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.