Grife de sem-teto é moda nos EUA

Roupas do skatista Crazy Robertson, famoso pelas acrobacias exóticas, viraram sensação em Hollywood

Tony Allen-Mills, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

Na incansável busca para oferecer ao mundo a próxima grande tendência de moda, muitos estilistas conhecidos vão para a rua, procurando inspiração na marginalidade da vida urbana. Mas até hoje nunca haviam encontrado um ícone que viesse da miséria e se tornasse rico, como aconteceu com Crazy Robertson.O skatista sem-teto de 56 anos, da Califórnia, virou a sensação de Hollywood depois que um grupo de empresários locais colocou seu apelido numa linha de roupas de uma butique de Los Angeles - que também vende jeans desenhados pela spice girl Victoria Beckham.O nome verdadeiro de Robertson é John Wesley Jermyn. Nos últimos 20 anos, ele viveu na Robertson Boulevard, conhecida avenida de compras e a mais concorrida depois da Rodeo Drive, a meca do consumo de Beverly Hills.Ganhou o apelido de Crazy Robertson por causa de suas exóticas acrobacias com o skate e a mania, ao se aproximar de alguém, de falar de modo incompreensível. A declaração que fez no lançamento de sua nova marca de roupas começou com uma biografia convencional, mas depois se diluiu num palavreado impenetrável sobre ''''sagacidade cinestética'''' e ''''consciência exo-poética''''. Mesmo assim, tornou-se o foco de uma campanha de marketing de venda de um agasalho com capuz que custa US$ 98, com a foto dele dançando na frente e o slogan ''''sem dinheiro, sem problemas'''' nas costas.Suas roupas saem rapidamente das prateleiras da Kitson, uma cadeia popular de butiques que vende sapatos infantis desenhados pela cantora pop Gwen Stefani.Mas há rumores também de que ele está sendo explorado pelos donos da marca. Embora Jermyn tenha assinado um contrato para receber direitos sobre seu nome e imagem, sua irmã Beverly disse ao Wall Street Journal que ele sofria de esquizofrenia, mas não queria ajuda médica.Jermyn pode ser o primeiro sem-teto autêntico a se transformar num ícone da moda. De uma próspera família de classe média, ele foi estrela do atletismo e jogador profissional de beisebol. Seus problemas parecem ter começado no fim dos anos 70.Segundo sua biografia, Jermyn perdeu a carteira de motorista em 1989 e foi expulso do apartamento onde morava. A partir de 1990, em suas próprias palavras, ''''seguiu uma vida de rua'''', como dançarino, percussionista, coreógrafo de artes marciais e skatista. Com o tempo, virou uma espécie de atração turística. Dizia-se que ele, na verdade, era um milionário que ''''procurava viver suas fantasias''''.INSPIRAÇÃOO namoro da moda com os sem-teto é antigo. Há sete anos, John Galliano, na época o principal estilista da Christian Dior, chocou o mundo fashion ao apresentar uma linha de roupas feitas de seda impressa com páginas de jornal. Galliano afirmou que teve a idéia quando viu os sem-teto forrando o chão com jornal para dormir debaixo das pontes sobre o Rio Sena, em Paris.Anos antes, o jovem estilista japonês Kosuke Tsumura produziu uma capa de náilon transparente com 40 bolsos com zíper que podiam ser recheados com jornais. Ela fazia parte de uma linha que Tsumura chamou de ''''abrigo final'''' - roupas de emergência caso o dono tivesse dificuldades na vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.