Grupo ameaça ´crimes sem precedentes´ contra corruptos

Em carta que enviou ao Secretário Estadual do PT, Mauro Marcial Menucchi, uma suposta Frente de Ação Revolucionária Brasileira (FARB) ameaça ?eliminar todas as pessoas, instituições, chefes destas instituições, policiais corruptos e líderes sindicais, que contribuem indiretamente para a miséria desta nação? (veja a carta).Em 30 de novembro de 2001, Menucchi foi ao 1º Distrito Policial de Jundiaí para registrar um Boletim de Ocorrência em que denuncia o recebimento da carta com ameaças.?Crimes sem precedentes acontecerão?O texto, de duas páginas, termina com a seguinte conclamação: ?Grandes donos de indústrias, comerciantes, burocratas, prefeitos corruptos sem escrúpulos, mentirosos da imprensa, policiais safados, se unam a nós ou sofrerão as conseqüências. Se ficarmos nas escuras (sic) durante algum tempo, se preparem, algo grandioso irá acontecer, já está avisado.?A suposta FARB diz que ?a partir de agora começa uma nova era, preparem-se! Crimes sem precedentes acontecerão?.Destinatários: A suposta organização faz uma relação dos destinatários da carta, que inclui delegacias de polícia, vereadores, prefeituras, deputados, senadores, além das redes de televisão Globo (Fantástico), SBT TV Brasil (Campinas), TVSBT São Paulo, TVSBT Ribeirão Preto, TV Bandeirantes, as revistas IstoÉ e Veja e o Jornal da Tarde. Remetente: A carta, postada em 16 de novembro de 2001, tem como suposto remetente uma pessoa chamada Accácio Silva Nori, residente à Avenida Doutor Amador Barros, 470, em Batatais, no interior de São Paulo, CEP 14300-000.Militantes: Na carta, a suposta FARB, diz que sua origem é a Grande São Paulo, mas que está ?em bom número? na área de Ribeirão Preto, e ?em número ainda maior? na região de Campinas. A suposta organização chega a discriminar o número de seus integrantes: Grande São Paulo (14); Região de Campinas (15); São Paulo (13); Ribeirão Preto (20); outras localidades (13). O texto afirma que há um total de 94 integrantes ativos, e aproximadamente 50 contribuindo ?totalmente, pensando em como mudar a atual situação?.Ameaças: A carta menciona que teria havido uma primeira missiva, na qual a suposta FARB teria deixado ?bem claro? que não está aqui ?para assassinar pessoas do PT?. Nesta segunda carta, acrescenta: ?Queremos eliminar o mau (sic) pela raiz, acabando com os cidadãos causadores de tantas corrupções e desigualdades. Portanto, se vocês prefeitos não se encaixam nessas especificações, não há o que temer, não cometeremos atos impensados?. O texto acrescenta: ?Não somos terroristas, não somos amadores, não entendemos a causa real de tanto alvoroço. Estamos preocupados com as causas sociais que assolam nosso país, não estamos aqui para espalhar violência barata, não estamos para palhaçadas sensacionalistas".?Patrocínio?: A carta diz que a suposta FARB está ?agora com um patrocínio muito bom. Uma grande rede de lojas localizada no shopping de Campinas?: ?Como conseguimos contato com ela ou qual é esta loja, isto é segredo, por enquanto?.Internet - Um manifesto da organização também pode ser visto na internet, no endereço http://www.orbita.starmedia.com/farbbr1/index2.htm. O texto, no qual o grupo assume a autoria do assasinato do prefeito de Campinas, Toninho do PT, está assinado pela "Cúpula da Farb", de "Santo André - São Paulo"

Agencia Estado,

20 de janeiro de 2002 | 13h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.