Grupo de mães estuda efeito da violência na família

O Núcleo Auto-Estima, que reúne mães cujos filhos foram vítimas da violência, lançou o projeto Mães Solidárias. A idéia é cadastrar mulheres em situação semelhante e levantar o índice de desagregação familiar provocado pelo trauma. Em pesquisa preliminar, de 2002, com 600 famílias, o núcleo descobriu que houve separação em 68% delas.Uma tenda foi instalada na Rua Conde de Bonfim, na Tijuca, zona norte da cidade, onde voluntárias distribuem questionários. As mães das vítimas respondem que tipo de violência sofreram, se houve seqüela física ou psicológica, se houve separação na família, afastamento dos amigos ou demissão do emprego. No fim, a pessoa é incentivada a deixar um telefone de contato."Queremos captar informações sobre a mãe que vive no limiar da dor. Porque ela é o eixo da família. Queremos reunir essas famílias para evitar a desagregação após a morte", diz a psicóloga Regina Célia Rocha Maia, coordenadora do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.