Ayrton Vignola/AE-3/02/2011
Ayrton Vignola/AE-3/02/2011

Grupo de Osasco registra sigla PSD e atrapalha Kassab

Prefeito, que já foi obrigado a devolver domínio JK, agora terá de disputar nome de nova legenda

Rosa Costa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2011 | 00h00

Depois de ser obrigado a devolver ao DEM o domínio JK que registrou na internet - sem autorização da família do presidente Juscelino Kubitschek - usando o CNPJ do diretório regional do partido em São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab vai ter de disputar a posse da sigla PSD com um punhado de políticos de Osasco (SP). Ontem, um clone da legenda foi registrado no cartório do 2.º Ofício do Distrito Federal.

Na ata da fundação provisória do partido constam como dirigentes Laudemir Lino de Alencar (presidente), além de Rogério Rodrigues da Silva e Delbio Camargo Teruel (vices).

O nome de Laudemir aparece na internet como sendo secretário-geral do PSDC de Osasco. Já Teruel seria presidente da Câmara Municipal da cidade. O Estado não conseguiu contactá-los, apesar de várias tentativas.

Os advogados encarregados da criação do PSD de Kassab, ouvidos pelo Estado, acreditam que não houve má-fé por parte do grupo de Osasco, uma vez que uma das exigências da Justiça Eleitoral - a coleta das assinaturas de eleitores de nove Estados, anexadas ao processo - teria ocorrido em fevereiro.

Na avaliação do corpo jurídico do PSD do prefeito de São Paulo, o episódio foi uma coincidência, pois em fevereiro não se sabia que o grupo do prefeito optaria por esta sigla. Na ocasião, dizem, Kassab ainda se inclinava pela sigla PDB.

De acordo com os advogados que assessoram o partido do prefeito a disputa deve acabar numa corrida para ver quem chega no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) primeiro com as cerca de 500 mil assinaturas de eleitores de nove Estados - exigidas para a legalização da legenda.

A expectativa do grupo de Kassab é que ele sairá vencedor da disputa. A avaliação se sustenta em vários casos de pedidos de criação de legendas abandonados no meio do caminho pela falta de estrutura para atender exigências da legislação eleitoral.

A exemplo do que ocorreu com o prefeito de São Paulo, o grupo de Osasco mostra que também foi inspirado por Juscelino Kubitschek. Ao justificar a escolha do nome PSD, eles lembram que JK "foi a maior expressão do partido, por tudo o que ele representou para todo o País".

O presidente do PSDC, o ex-candidato à Presidência da República José Maria Eymael, não aparece na documentação do PSD de Osasco. A omissão pode indicar uma provável dissidência dos democrata-cristãos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.