Grupo falsificava passagens de ônibus da Cometa

Um grupo formado por pelo menos 11 motoristas, um auxiliar de tráfego e o dono de uma gráfica produzia e vendia passagens falsas para os usuários da linha Sorocaba - São Paulo, explorada pela Viação Cometa. Em dois meses, a fraude atingiu o montante de R$ 2 milhões, segundo cálculos da empresa. O motorista Raul de Góes Vieira Filho, de 39 anos, e o auxiliar de tráfego Roberto Luis Antunes, de 29, foram presos em flagrante, ontem, depois de repassar bilhetes falsificados a dois investigadores da Polícia Civil que subiram no ônibus como passageiros para investigar o esquema. Dos 36 passageiros, 23 estavam com passagens falsas. A investigação foi pedida pelo gerente da Cometa em Sorocaba, Paulo Assis Corrêa, depois de suspeitar darepentina queda no número de usuários. Fiscais da empresa que viajaram como passageiros desconfiaram dos bilhetes. Embora tivessem a numeração própria, apresentavam pequenas diferenças na impressão. O gerente pediuajuda à Polícia. Com a prisão do motorista e do auxiliar, os policiais chegaram à gráfica que imprimia o material. No estabelecimento foram encontrados centenas de talonários falsos. O dono da gráfica, Antonio Carlos Alves, de 54 anos, confessou a participação. Outros 10 motoristas foram apontados como cúmplices da fraude. Eles recebiam os talões e passavam os bilhetes para os passageiros que embarcavam fora dos terminais de Sorocaba e da Barra Funda, em São Paulo. As passagens e o dinheiro arrecadado não iam para o caixa da empresa. Os integrantes do grupo foram indiciadod em inquérito por estelionato e formação de quadrilha e vão responder ao processo em liberdade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.