Grupo invade hospital atirando e resgata traficante

Um grupo de 20 homens armados invadiu na madrugada de hoje o Hospital Geral de Bonsucesso, na zona norte, para resgatar o traficante Márcio Greick Lima dos Santos, de 21 anos, que estava internado na unidade. O grupo deixou o hospital carregando o traficante nos braços. Na saída, mataram um policial militar. Sete pessoas que estavam na fila para marcar consultas ficaram feridas e quatro vigilantes do hospital foram agredidos.A Secretaria de Segurança Pública aumentou de R$ 5 mil para R$ 20 mil a recompensa para quem tiver informações sobre Márcio José Guimarães, o Tchaca, acusado de ter comandado o resgate e conhecido por ter ordenado a morte de diversos policiais civis e militares. O traficante comanda o comércio de drogas em sete favelas da zona norte do Rio.Encapuzados e vestidos com coletes da Polícia Civil, os criminosos chegaram ao hospital em três carros e duas motos e disparando vários tiros. O vigilante João Batista Campos da Rosa foi espancado, quando tentava proteger as recepcionistas. Outros três vigias foram agredidos.Os criminosos foram ao quarto andar da enfermaria, onde Greick recuperava-se de uma cirurgia - uma semana antes ele havia sido baleado ao tentar roubar um carro. A polícia ainda não sabe se Greick é aliado ou inimigo de Tchaca. "Ele pode ser um traficante com alto posto na quadrilha de Tchaca ou um inimigo. Nesse caso, pode já ter sido morto", disse o secretário de Segurança Pública, coronel Josias Quintal.O hospital não tem setor de custódia. Greick estava algemado na cama e só tinha um policial para guardá-lo. O coronel Josias Quintal propôs a criação de enfermarias especiais para presos, a fim de aumentar a segurança nos hospitais. "A presença de um policial nos hospitais é um constrangimento para os outros doentes. O local onde os presos ficam deve ficar protegido." A polícia não desconfiava da importância de Greick. Ele havia sido detido duas semanas antes, suspeito de ter participado de um assalto no Méier. Foi liberado por falta de provas e baleado alguns dias depois, em nova tentativa de assalto. Segundo Quintal, as informações de que a polícia dispunha sobre o bandido não apontavam a necessidade de um forte esquema de policiamento no hospital. O comandante da Polícia Militar, coronel Wilton Ribeiro, lamentou muito a morte do PM Maximiliano cuja esposa está no oitavo mês de gravidez. "Há necessidade de uma ação enérgica e legal", afirmou. Para ele, Tchaca é hoje "o inimigo número um da polícia." Duzentos homens da PM ocuparam as favelas do Jacarezinho e do Rato Molhado, ambas na zona norte. Havia suspeita de que Greick estivesse escondido ali. Dois homens acusados de tráfico foram mortos, outro ficou ferido em tiroteio com a PM. Um foragido da Justiça foi recapturado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.