Grupo pede apuração de pagamentos da TV Alesp

O Ministério Público avalia representação feita pelos deputados Major Olímpio (PDT), Pedro Tobias (PSDB), Luiz Carlos Gondim (PPS) e Carlos Giannazi (PSOL) na qual os parlamentares acusam a Assembleia de pagar R$ 4 milhões por matérias jornalísticas que deveriam ter ido ao ar na TV Alesp, mas nunca foram sequer gravadas.

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2011 | 03h04

No documento, os deputados apontam diversas irregularidades, como supostas fraudes em planilhas nas quais o departamento de comunicação da Assembleia e a Fundação Padre Anchieta, que operou a TV Alesp até fevereiro de 2011, relacionam a quantidade de boletins gravados pelos deputados. Os quatro parlamentares afirmam não ter gravado os boletins que lhes foram atribuídos - cada um custou R$ 1.939 à Assembleia.

Os deputados também acusam as duas instituições de fraude por informarem a gravação dos boletins televisivos durante o período eleitoral de 2010, o que é vedado pela legislação. Além disso, dizem, é impossível que a TV tenha gravado o total de boletins informados justamente por não poder produzir as matérias nos meses eleitorais.

Outro lado. As instituições envolvidas negam qualquer tipo de irregularidades no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.