Grupo protesta contra transferência de chimpanzé

Pelo menos 150 pessoas participaram nesta sexta-feira, 27, de um protesto contra a transferência do chimpanzé Alemão, do Parque Ecológico Municipal de Americana para o Santuário dos Grandes Primatas, em Sorocaba, no interior de São Paulo. A transferência está marcada para a segunda-feira,30, segundo informou a Prefeitura de Americana, que administra o zoológico. Com aproximadamente 39 anos, Alemão está há 15 em Americana. Antes, pertencia a um circo. Nesta sexta, integrantes da Organização Não-Governamental Animal Feliz distribuíram camisetas com a inscrição "Fica Alemão" sob a fotografia do chimpanzé estampada. Alguns manifestantes carregaram cartazes com o mesmo pedido, em frente ao parque. "Aqui pelo menos a gente pode ver o Alemão. O lugar é amplo e arejado, e dá para notar que o animal é bem tratado", afirmou a dona de casa Iracema da Silva, de 39 anos, que mora em Sorocaba, mas foi até Americana para pedir à Prefeitura que mantenha o primata no zoológico. A transferência foi pedida pelo prefeito Erich Hetzl Junior (PDT). O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) autorizou a mudança, depois de enviar técnicos de São Paulo e Brasília ao santuário de Sorocaba. O presidente da Comissão de Meio Ambiente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Americana, Gustavo Malufe, participou da manifestação contrária à transferência de Alemão. Segundo Malufe, a prefeitura cedeu à polêmica iniciada com o trabalho de ambientalistas, biólogos, advogados e membros da sociedade civil pela remoção do macaco. "Para pedir legalmente o cancelamento da transferência eu tenho de ter um bom motivo, baseado em argumentação técnica. Não há, pois o santuário até comporta o Alemão, mas especialistas dizem que ele não só pode ficar aqui como sua transferência pode gerar estresse ao animal", afirmou. "Não vou polemizar. Isso é coisa de estudante." A afirmação refere-se ao estudante de Direito Jorge Luis Cardia, responsável pelo movimento favorável à transferência de Alemão para o local que hoje abriga outros 38 chimpanzés e é fechado ao público. Há três meses, Cardia coletou cerca de 2 mil assinaturas a favor da mudança. E levou o documento ao poder público municipal. Cardia também conseguiu um laudo que atestou as condições satisfatórias do santuário, produzido pela especialista em comportamento animal Thaís Codenotti, da equipe de estudos sobre primatas da Universidade de Passo Fundo. No dia 30 de agosto, o Secretário de Obras e Serviços Urbanos, Gelson Ginetti, entregou ao prefeito um parecer favorável à transferência. Ginetti sugeriu, no documento, que o prefeito colocasse o chimpanzé à disposição do santuário, embora o animal não apresentasse nenhum sinal de saúde debilitada ou maus tratos. "Há pessoas e organizações que insistem na transferência", disse o secretário no parecer. E acrescentou que, como não havia para a prefeitura interesse científico no animal, a medida poderia por fim ao que Ginetti classificou como "polêmica desnecessária". O secretário se comprometeu a promover visitas técnicas após a transferência, para averiguar o tratamento a Alemão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.