Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Guarda atira em ex. Mãe pula na frente e morre

Em Belo Horizonte, dona de casa foi baleada ao tentar proteger jornalista; garota também acabou ferida

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2007 | 00h00

Inconformado com o fim do relacionamento, o guarda municipal Anderson Lúcio da Silva, de 32 anos, invadiu na noite de anteontem a casa da ex-namorada, Tatiana Angélica Alves Pereira, de 25 anos, na região noroeste de Belo Horizonte. Após rápida discussão, ele sacou uma arma e disparou. Ao tentar proteger a filha, a mãe dela, Maria Auxiliadora Alves Pereira, dona de casa de 42 anos, entrou na frente da filha e acabou assassinada com tiros no pescoço e no braço.Anderson ainda feriu com um disparo no peito a ex-namorada, que é jornalista de uma emissora de TV local. Em seguida, atirou duas vezes contra a própria barriga. Tatiana e Anderson foram socorridos e permanecem internados, mas não correm risco de morrer. Familiares da jornalista disseram que ela e Anderson terminaram o relacionamento há cerca de três anos, mas ele se recusava a aceitar o rompimento. Tatiana já havia registrado queixa na polícia contra o ex- namorado depois que ele a manteve em cárcere privado. O guarda invadiu o carro da jornalista quando ela saía do trabalho e a obrigou a rodar pela cidade. Apenas depois da intervenção de seu psiquiatra, Anderson liberou a ex-namorada. Colegas de corporação contaram que nos últimos dias ele aparentava mais descontrole emocional. Ontem, de acordo com a Polícia Militar, o guarda pulou o muro da residência, no bairro Aparecida, e entrou pelos fundos da casa. Segundo o tenente Marcos Damásio, um irmão de Anderson confirmou que ele vinha ameaçando a jovem. O guarda foi ouvido por policiais e, quando receber alta, será levado para a prisão e indiciado por homicídio e tentativa de homicídio. A PM apreendeu no local do crime o revólver calibre 38 que foi usado pelo guarda. SINDICÂNCIAEm nota, a Guarda Municipal informou que lamenta o fato e disse que Anderson estava de folga no momento do crime. Segundo o comunicado, o revólver encontrado no local não pertence à corporação, que ainda não utiliza armamento de fogo no exercício de suas atividades. O comando determinou abertura imediata de procedimento administrativo para apurar o caso, "independentemente das medidas adotadas pela Polícia Judiciária".O assessor de imprensa da Guarda Municipal, Roger Victor, disse que Anderson tinha a "ficha limpa" e que a corporação não recebeu nenhuma denúncia sobre as ameaças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.