Guarda Municipal de Campinas faz greve por melhor remuneração

A Guarda Municipal de Campinas iniciou greve de advertência por 48 horas. A paralisação começou na noite de segunda-feira, 26, e a corporação promete voltar ao trabalho a partir das 18 horas de quarta-feira. A categoria reivindica um adicional de risco de vida, remuneração por hora ao invés do salário fixo, inclusão de adicional de 30% por hora trabalhada aos sábados e domingos no esquema de que a cada 12 horas haveria 36 horas de descanso. Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos de Campinas a adesão é de 90%. A base salarial é de R$ 1.200 e há servidores mantidos em comissionamento em diversos setores da prefeitura. Conforme o Sindicato, durante a greve o policiamento não será interrompido: as dez bases comunitárias da Guarda Municipal atuarão com até dois homens. A Prefeitura discorda e contabiliza 50% de ausência dos servidores motivada pelo ponto facultativo em virtude do jogo de futebol da seleção brasileira. A administração argumenta também que os benefícios para a Guarda Municipal serão discutidos dentro da elaboração do Plano de Carreira que deve ser elaborado até o final do ano. Em 14 de julho, aniversário da implantação da GM em Campinas, a categoria deve receber seguro de vida em grupo, maior número de uniformes, coletes a prova de balas e reforço no armamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.