Guardas civis fazem protesto na Prefeitura

Pelo menos 100 homens da Guarda Civil Metropolitana (GCM) fizeram um protesto nesta tarde no Palácio das Indústrias, sede da administração paulistana. Eles protestaram contra uma provável demissão que deverá ocorrer amanhã. Isto porque, segundo o comandante da GCM, Josias Sampaio Lopes, vence hoje o contrato emergencial que garantiu a prestação de serviço, durante seis meses, de 382 soldados da guarda.A GCM tem atualmente um efetivo de 4173 homens, segundo o comandante. Ele afirmou que todos os prováveis demitidos pela administração prestaram concurso público em 1998 e foram chamados para trabalhar, em regime emergencial, nos últimos meses da gestão de Celso Pitta (PTN).Segundo Lopes, a homologação do concurso público feito pelos guardas civis metropolitanos garante o retorno deles ao trabalho. "Se o concurso for homologado pela prefeita Marta Suplicy, a contratação está automaticamente autorizada." O comandante da GCM disse que a prefeitura está estudando a viabilidade jurídica para prorrogar o contrato até que a situação seja definida. Lopes disse que a maior parte dos demitidos fazia a segurança em escolas, postos de saúde e velórios municipais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.