Guardas são afastados após denunciarem irregularidades

Dois guardas municipais de Campinas, no interior de São Paulo, que denunciaram falta de equipamentos na corporação e o uso de viaturas para o transporte de membros da família da secretária da Segurança Pública, Maria Cristina Von Zuben, foram afastados dos cargos por 60 dias.A suspensão foi anunciada pela própria secretária. Segundo ela, Rayland Taminoto Celestino e Davi da Silva Peronica receberão seus salários nesse período. Ela disse que tomou a decisão, para que os guardas possam depor sem pressões ou retaliações.O Ministério Público solicitou a abertura de um inquérito policial para apurar as denúncias. Entre outras irregularidades, os dois suspensos apontaram falta de coletes à prova de balas, viaturas em mau estado de conservação e compra de munição com dinheiro próprio.Celestino e Peronica respondem a processo administrativo aberto na prefeitura, que pode resultar em advertência e até demissão, por levar denúncia a público antes de comunicar os superiores, infringindo o Estatuto dos Servidores Públicos.A secretária anunciou a compra de 16 novas viaturas, 200 coletes e 167 rádios comunicadores. Ela confirmou ter usado viaturas da GM para transportar sua família, em janeiro, mas argumentou que o fez sob orientação policial e autorização da prefeita Izalene Tiene (PT), porque seus parentes estavam sofrendo ameaças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.