Guerra de tráfico e milícia deixa 10 mortos no Rio

Moradores contam que bandidos tentaram retomar controle de favela

Pedro Dantas, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2002 | 00h00

A guerra pelo controle das favelas da zona oeste da cidade deixou 10 mortos ontem no Rio. O confronto entre traficantes e milícias (grupos paramilitares de policiais e bombeiros que cobram dos moradores pela segurança e outros serviços) ocorreu na Favela da Carobinha, em Campo Grande. Segundo moradores, os traficantes tentaram retomar a favela perdida para a milícia em dezembro do ano passado e foram mortos.Oficialmente, a Polícia Civil informou que a chacina foi resultado de um confronto entre traficantes. ''''Não devemos, com acusações anônimas, atribuir isso a policiais. Esperamos que a sociedade se apresente e nos ajude na investigação'''', disse o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame.De acordo com os moradores, a tentativa de invasão ocorreu às 3 horas. Pelo menos dez homens ligados à facção criminosa Terceiro Comando Puro, das Favelas da Coréia, Rebu e Vila Aliança, chegaram à Favela da Carobinha vestidos de preto, com coturnos, luvas de plástico e tocas ninjas. Alguns vestiam camisas da Polícia Civil e outros, camisetas com o símbolo da Polícia Militar.Informalmente, policiais afirmaram que os integrantes da milícia pareciam prontos para o ataque e, após balear os invasores, levaram, às 6 horas, dez corpos para a Estrada do Taquaral, perto do acesso à Favela da Coréia, em Senador Camará, como ''''provocação e demonstração de força''''.O traficantes da Coréia teriam levado três corpos de bandidos locais para a favela. Às 8h30, roubaram uma Kombi onde colocaram os sete cadáveres e os deixaram na Rua Manoel Torres, a metros da estação de trem do bairro de Santíssimo. No início da noite, a polícia informou que havia encontrado os três corpos, perto do Corpo de Bombeiros de Realengo.''''Meu avô viu os homens chegando em uma Kombi a com outros quatro em duas motos. Eles proibiram as pessoas de olhar para eles e abandonaram a Kombi com os corpos'''', disse uma adolescente, que acompanhava o recolhimento dos corpos. Dos dois corpos identificados até a noite, um era de um menor, de 16 anos.O Estado apurou com moradores que a Carobinha é considerada estratégica por traficantes e policiais, pois a Estrada do Guandu do Sena, que corta a favela, dá acesso ao complexo de favelas da Vila Kennedy, ao presídio Bangu 1 e ao 14º Batalhão de Polícia Militar. O delegado-titular da 35ª Delegacia de Polícia, de Campo Grande, Luiz Alberto Antunes, disse que ''''é cedo para concluir o que ocorreu'''', mas afirmou duvidar que os homens tenham sido mortos por integrantes de milícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.