Google Maps/Reprodução
Google Maps/Reprodução

Guerra do tráfico faz mais três vítimas na divisa com o Paraguai

Dois deles podem ser ligados ao PCC; Ministério Público paraguaio investiga possível relação do crime com disputa entre facções pelo controle do tráfico de drogas na região

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2017 | 18h20

SOROCABA – Dois homens supostamente ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC) foram executados, na tarde deste domingo, 8, em Capitan Bado, na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul, no Brasil. Ao lado dos corpos, foram encontradas toucas ninja e um botijão de gás. O Ministério Público paraguaio investiga possível ligação dos crimes com a disputa entre facções pelo controle do tráfico de drogas na região.

É a terceira execução na região da fronteira neste fim de semana. Na tarde de sexta-feira, 6, um advogado que tinha entre clientes supostos integrantes da facção foi assassinado na cidade de Pedro Juan Caballero, também na fronteira. Desde o atentato que matou o megatraficante Jorge Rafaat Toumani, em junho de 2016, em Pedro Juan, a região já registrou mais de trinta mortes por execução, segundo a polícia. A morte de Rafaat, que comandava o tráfico na fronteira, teria sido arquitetada pelo PCC. 

O advogado Elenio Manuel Acosta Gonzales, de 54, foi atacado em seu carro na rua Dois de Maio, no bairro Obrero, em Pedro Juan. Os criminosos, que estavam em motocicletas, dispararam ao menos 15 tiros de pistola 9 mm. Gonzales foi atingido por dez disparos e morreu na hora. Ele era inscrito na associação de advogados do Paraguai e o crime chocou a classe.

As vítimas deste domingo foram executadas na fronteira entre o Paraguai e a cidade brasileira de Coronel Sapucaia, na mesma região de Mato Grosso do Sul. Os corpos foram encontrados numa plantação de soja, ao lado de munição e dos objetos deixados como uma espécie de aviso pelos executores.

As vítimas foram identificadas como os brasileiros Jofer Jeferson Dales, o “Branquinho”, e Raúl Torales Portillo do Amaral. Eles receberam tiros na cabeça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.