Guerra do tráfico pára o Rio e faz cinco mortos

A guerra do tráfico no Rio recomeçou com tudo na madrugada de ontem. Durante um dia inteiro de combates, que prosseguiam na noite de ontem, cinco pessoas morreram, incluindo dois policiais. A disputa entre traficantes por pontos-de-venda de drogas no Morro da Rocinha, zona sul, teve lances ousados, como uma falsa blitz realizada por bandidos para roubar os carros que iriam usar no ataque à favela. Uma mulher furou o bloqueio e foi morta. À noite, mesmo com o morro ocupado pela Polícia Militar, traficantes disparavam e lançavam granadas nos rivais.O pesadelo que deixou a população do Rio em suspense começou à 1 hora. Um bando do Morro do Vidigal iniciou a falsa blitz na Avenida Niemeyer, que liga Leblon a São Conrado e dá acesso à Barra da Tijuca. Surpreendida, a mineira Telma Velloso Pinto, de 38 anos, que estava com o marido, Renato Gonzaga, e três sobrinhos adolescentes, não parou e levou um tiro de fuzil na nuca. O carro bateu numa mureta e os passageiros ficaram levemente feridos. A PM, que estava na entrada e na saída da Niemeyer, seguiu para o local e houve troca de tiros. A avenida ficou bloqueada até de manhã, o que cortou o acesso à Barra. Parte dos traficantes escapou e seguiu em quatro carros e duas Kombis roubados para a Rocinha. O grupo chegou atirando. Cerca de 3 mil pessoas que estavam em um galpão, num pagode, correram para se abrigar. "A maioria só conseguiu voltar para casa de manhã cedo", disse uma moradora.Outros moradores contaram que os invasores continuaram subindo de carro até que, no local conhecido como Curva do S, se depararam com os traficantes que dominam a Rocinha. Houve tiroteio e Fabiana Santos Oliveira, de 24 anos, que descia a rua para buscar a irmã na entrada da favela, foi atingida e morreu no local. O corpo ficou na rua por 12 horas até ser removido. "Ela não teve tempo de correr. Todo dia fazia esse trajeto para buscar a irmã que chega do trabalho", contou Dalmira Reis de Moura, de 50 anos, sogra de Fabiana, que deixa um filho de 4 meses e outro de 8 anos. Ela estava com o marido, Edson Moura, de 29 anos, baleado no cotovelo. Wellington da Silva, de 27 anos, também foi atingido por uma bala perdida e morreu. A PM, que informou ter sido avisada da invasão, prendeu três pessoas.Cerca de 400 policiais ocuparam a Rocinha e o Vidigal, mas os traficantes reagiram. O tenente Marcelo Rolim e o soldado Luiz Cláudio Gomes Ramos, do Batalhão de Operações Especiais (Bope), morreram. Mais tarde, uma mulher, não identificada, foi ferida por outra bala perdida. Mas o dia de cão nas favelas não se limitou à Rocinha. Na Favela Cerro Corá, zona sul, André Luiz Marques do Nascimento levou um tiro na barriga quando saía com a mãe, Renata Galdino Marques, de 20 anos, de um forró, às 2 horas. Morreu no Hospital Silvestre, em Santa Teresa, à tarde. André tinha 4 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.