Guerra do tráfico põe moradores sob fogo cruzado

Moradores da Ilha do Governador voltaram a viver sob fogo cruzado. Nesta madrugada, traficantes do morro do Dendê invadiram o morro do Querosene, no mesmo bairro. Foram mais de duas horas de intenso tiroteio e explosão de granadas. Luiz Cláudio Machado, de 44 anos, morador da Avenida Paranapuan, foi atingidou por uma bala perdida dentro do seu apartamento. Dois carros foram incendiados e outros perfurados a tiros e por estilhaços de bombas. Pela manhã, agentes do Esquadrão Antibombas foram acionados para desativar uma granada, de fabricação argentina, que foi deixada pelos traficantes.Segundo a polícia, a invasão foi determinada pelo líder dos traficantes do Dendê, Marcelo Soares de Medeiros, o Marcelo PQD, preso no presídio de segurança máxima Bangu 1. O tiroteio foi o terceiro registrado em menos de uma semana, com um saldo de 18 carros de moradores atingidos por tiros e estilhaços de granada. As marcas da violência também são vistas pelos buracos de balas de fuzil nas paredes de prédios e casas.A situação no bairro chegou a tal ponto que levou o comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar, Alcides Menezes de Azevedo, a determinar , no fim da tarde, a ocupação dos morros do Dendê e no Querosene. A operação terá o reforço de 150 homens do 17º BPM, do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope).ProtestoRevoltados com a morte do motorista de Kombi Robson Bastista Vieira, de 34 anos, os moradores do Morro João Teles de Menezes, também na Ilha, fecharam as principais ruas de acesso à favela, em sinal de protesto. Vieira, outros dois homens (Carlos Roberto da Silva, 37 anos, e Renato Alves da Silva, de 18 anos), e o menino Diego Melo, de 6 anos, foram atingidos por balas de fuzil, na tarde de domingo, dentro de um fliperama do morro, em consequência da troca de tiros entre policiais e traficantes da favela.Até o início desta tarde, Diego continuava internado no Hospital Paulino Werneck e corria o risco de perder uma das pernas. Os outros dois homens, que foram atendidos no Hospital Souza Aguiar, receberam alta pela manhã. De acordo com testemunhas, policiais subiram o morro atirando e teriam acertado quatro moradores e matado dois bandidos, identificados como Russo e Gigolé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.