Guerra pelo controle do PCC já fez 13 mortos

A guerra entre grupos rivais pelo controle da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) já fez 13 mortos nos últimos três meses. O balanço foi divugado hoje pela polícia. A última delas foi a do pistoleiro Lauro Carlos Gabriel, o Ceará, ocorrida na noite de segunda-feira, noBrás, região central de São Paulo.Ceará era o principal suspeito de ter assassinado a advogada Ana Maria Olivatto Camacho, que defendia líderes da organização e era ex-mulher de um deles, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. Ceará era ainda irmão de Aurinete Carlos Félix da Silva, a Netinha, mulher de outro líder da facção criminosa, Cesar Augusto Roris, o Cesinha. Um dos principais líderes do PCC, o assaltante José Márcio Felício, o Geleião, e Cesinha estariam rompidos desde que o primeiro planejou matar Aurinete. O motivo da divisão era o fato de Geleião defender arealização de atentados no Estado - Cesinha era contra.Das mortes, oito ocorreram na Baixada Santista e teriam sido ordenadas por um dos principais homens do segundo escalão do PCC. As outras cinco ocorreram na Grande São Paulo. "Estamos, montando o quebra-cabeça para determinar a autoria de cada uma delas", afirmou o promotor Roberto Porto, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).Na tarde de hoje, a polícia ouviu Geleião, informalmente por quase uma hora e meia. De acordo com o delegado Godorfredo Bittencourt Filho, diretor do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), Geleião deverá ser ouvido novamente amanhã(08) no inquérito que apura a formação de quadrilha e a posse de explosivo que seria utilizado em um atentado contra o prédio da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).Durante a conversa com os policiais, Geleião não quis dar nenhuma informação. "Ele parecia ainda estar assustado", disse o promotor. A polícia deve indiciá-lo sob a acusação de posse de explosivos. O material foi deixado pelo PCC em um Gol na Rodovia Anhangüera.

Agencia Estado,

07 de novembro de 2002 | 21h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.