Há 27,5 mil moradias em risco em São Paulo

O secretário municipal das Subprefeituras, Antonio Donato Madormo, entregou nesta quarta-feira ao Ministério Público Estadual (MPE) o estudo Mapeamento das Áreas de Risco na Cidade de São Paulo, que mostra que 27.500 moradias, espalhadas por 192 favelas, representam algum tipo de perigo para seus ocupantes.Destas, 11.500 estão sujeitas a deslizamento de solo ou rochas. Por isso, o levantamento avaliou que há a necessidade de remoção de 2.785 residências, 1.300 das quais perto de córregos.Realizado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), o estudo abrangeu 205 ocupações subnormais (favelas e loteamentos irregulares) em áreas de encostas - pouco mais de 10% das 2.018 favelas do municípios catalogadas pela Secretaria da Habitação - onde foram identificados 517 setores de riscos localizados.O estudo é resultado de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado em novembro entre a Prefeitura e a Curadoria de Habitação e Urbanismo do MPE. O último levantamento com essa abrangência havia sido feito entre 1989 e 1990.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.