Há risco de a parte externa do prédio da Eletrobrás desabar

O comandante do Corpo de Bombeiros do município do Rio de Janeiro coronel Francisco Carlos Pessanha Bragança disse que aparentemente há risco de apenas a parte externa do prédio da Eletrobrás desabar, como já vem ocorrendo com o reboco fixado nas proximidades das três rachaduras que ficam nos andares atingidos pelo fogo. Segundo ele, os riscos de desabamento do prédio são inexistentes. Porém, engenheiros estão aguardando a chegada de um equipamento chamado "Teodolito" para fazer o teste definitivo. "Este aparelho vai indicar se houve qualquer inclinação na estrutura", explicou o coronel. O coronel negou a informação de que tenha faltado água para apagar o fogo. "Isso não aconteceu. A Cedae inclusive reforçou o fornecimento de água", garantiu Pessanha Bragança, informando que 11 carros-pipa foram deslocados para a área. Além disso, acrescentou há 21 carros do Corpo de Bombeiros, entre os quais, quatro ambulâncias. Até o momento, não há notícias de feridos. "O que a gente sabe é que existia apenas um vigia dentro do prédio", disse o coronel, declarando que o Centro de operações do Corpo de Bombeiros recebeu um telefonema do vigia às 4h36 da manhã.Perguntando sobre a existência de uma Brigada de Incêndio que permaneceria no prédio da Eletrobrás 24 horas, ele afirmou desconhecer o fato. Mas disse que, geralmente, os grandes edifícios mantém uma equipe própria que trabalha ininterruptamente para combater qualquer foco de incêndio. Leia maisIncêndio destrói parte de prédio no centro do RioParte do prédio da Eletrobrás pode desabarFalta de água atrapalha serviço dos bombeiros no RioSetenta soldados combatem incêndio no RioPrédio do Rio foi reformado e tem brigada de incêndioIncêndio no prédio da Eletrobrás está controlado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.