Há semelhanças no acidente com A330 da Qantas em 2008

Incidente na Austrália feriu 40; Airbus ressalta que equipamentos na cabine de comando são diferentes

ANDREI NETTO e MARCELO GODOY, O Estadao de S.Paulo

06 de junho de 2009 | 00h00

Especialistas em aviação vêm estipulando paralelos entre o desaparecimento do voo AF 447 no Oceano Atlântico e o acidente com o voo QF72, da australiana Qantas, que deixou 40 pessoas feridas. Em outubro de 2008, um Airbus A330-300 da companhia foi forçado a realizar uma aterrissagem de emergência depois que o aparelho perdeu bruscamente 2 mil metros de altitude.   Conheça detalhes do avião e de sua rotaA provável relação também é investigada pela equipe de advogados da Stewarts Law, com sede em Londres, que representa 30 famílias de pessoas que ficaram feridas no incidente da Qantas. A Airbus nega qualquer relação. Atualmente, existem mais de 300 jatos A330-300 em operação no mundo.A investigação posteriormente realizada pelo Escritório Australiano de Segurança do Transporte (ATSB) indicou que uma pane na Air Data Inertial Reference Unit (Adiru) causou informações erradas sobre a altitude do aparelho, levando à ativação dos sistemas de segurança automáticos do Airbus. INSTRUÇÕESFoi essa falha no aparelho da Qantas que levou a Agência Europeia de Segurança Aérea (Easa) a publicar, em fevereiro deste ano, uma Emergency Airworthiness Directive, um documento com instruções aos pilotos sobre a conduta em caso de pane da Adiru. Um mês antes do comunicado da Easa, em janeiro de 2009 a Airbus enviou às companhias aéreas que têm seus aviões um documento de três páginas no qual explicou tecnicamente como identificar quando a Adiru trava. A falha da Adiru foi indicada às 23h12min em uma das mensagens automáticas enviadas pelo voo AF447, antes de sua queda. A Airbus, no entanto, informou ontem que o Adiru do avião operado pela Qantas era de fabricante diverso do que equipava o A330 da Air France, o que diminuiria a possibilidade de o equipamento apresentar o mesmo defeito observado na Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.