Hacker adolescente dá golpe internacional pela internet

O adolescente D.P.F., de 16 anos, de São José do Rio Preto, a 450 quilômetros da capital paulista, foi detido por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) após comprar eletroeletrônicos pela internet com números de cartões de crédito internacionais. Ele obtinha os dados ilegalmente enquanto batia papos virtuais.No último mês, deu um golpe de aproximadamente R$ 5 mil. O adolescente é o primeiro hacker descoberto pela Polícia Civil de Rio Preto. De acordo com o delegado Airton Douglas Honório, 44, ele contava com o apoio do pai, o comerciante E.C.F., 43, que lhe cedia uma carteira de identidade falsa e o endereço de sua empresa para receber as mercadorias adquiridas de forma fraudulenta da Sony Comércio e Indústria Ltda., com sede na Amazônia.O golpe dado pelo adolescente só foi descoberto porque um advogado da Visa, empresa administradora de cartões de crédito, esteve em Rio Preto na semana passada para fazer a denúncia.A empresa detectou que em junho foram efetuadas diversas transações com cartões de créditos emitidos por sete bancos dos Estados Unidos, Japão e Cingapura, para aquisição de eletroeletrônicos por meio do site da Sony.A Visa fez levantamento de todas as despesas e constatou que as mercadorias foram entregues no mesmo endereço: na rua Saldanha Marinho, centro de Rio Preto. Para esse tipo de operação, não é necessário estar de posse do cartão de crédito, uma vez que em compras via internert são fornecidos apenas dados do cartão, como número, local e data de validade.O adolescente foi detido na hora em que tentava receber uma encomenda. Para isso, ele usava os números dos cartões que contou ter conseguido durante bate-papos em chats internacionais, usando um programa específico, e fazia as compras usando identidade falsa, que seria de seu pai, em nome de Edson Gustavo de Oliveira.No escritório e na casa dele, os policiais do Setor de Crimes contra o Patrimônio da DIG apreenderam uma disqueteira, um toca-fitas de carro, um leitor de CD-ROM, um drive de disquete e um walkman. O videocassete e um aparelho de som não foram localizados.Os policiais apreenderam ainda duas CPU´s (Unidade Central de Processamento) de computador na casa do adolescente, no bairro Cristo Rei, além de 42 disquetes com programas em que ele tem condições de criar milhares de CPFs e CGCs de empresas.Honório diz que a DIG está apurando se o adolescente já tinha feito outras compras usando o mesmo sistema. O pai do adolescente foi indiciado pelos crimes de receptação (com pena prevista entre um e quatro anos de reclusão), falsa identidade (cuja pena varia de três meses a um ano de detenção) e estelionato (a pena pode chegar a cinco anos de reclusão). Ele vai responder em liberdade, por enquanto. O adolescente vai ser apresentado à Vara da Infância e da Juventude.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.