Hantavirose faz mais uma vítima em SP

Exames laboratoriais realizados pelo Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, confirmaram que a morte de um homem de São Carlos (SP), ocorrida no início de abril, foi causada pelo hantavírus, transmitido por mamíferos roedores silvestres.O resultado foi divulgado pela secretária municipal de Saúde de São Carlos, Elisete Silva Pedrazzani. A vítima, de 29 anos, apresentou sintomas característicos da hantavirose, como febre alta e dores estomacais, dias depois de ter caminhado por uma trilha rural situada em uma área desabitada entre os municípios de São Carlos e Itirapina.Na avaliação feita pelo órgão municipal, o rapaz deve ter respirado o ar infectado pelos excrementos de algum roedor que continha o hantavírus. Outras duas pessoas que participaram da caminhada e familiares da vítima não apresentaram os sintomas da doença. Eles tiveram acompanhamento de uma equipe de saúde. O Centro de Vigilância Epidemiológica, ligado à Secretaria Estadual de Saúde, informou que neste ano já ocorreram quatro mortes por hantavírus no Estado de São Paulo. Além de São Carlos, os casos foram registrados em Fartura (região de Ourinhos), Pontal e Santo Antônio da Alegria (cidades da região de Ribeirão Preto).Segundo a assessoria de Imprensa da Secretaria Estadual da Saúde, o Centro de Vigilância Epidemiológica está mapeando os locais exatos de contaminação. Para isso, vem procurando descobrir se as vítimas adquiriram a hantavirose nos próprios municípios onde residiam.A Direção Regional de Saúde (Dir-18) de Ribeirão Preto confirmou hoje mais um caso de hantavirose, de um morador de Passos (MG), de 35 anos, que está internado no Hospital São Francisco, em Ribeirão Preto. Existem casos suspeitos em Monte Alto e Cajuru, e mais outro caso suspeito na região de São Carlos. Os resultados dos exames ainda não ficaram prontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.